domingo, 8 de novembro de 2009

Cobertura Minas Trend Preview Outono /Inverno 2010

Na semana que passou, fiz a cobertura do evento para a revista Contigo. Compartilho matéria completa abaixo.

Ronaldo Fraga evidencia cultura mineira em festa de abertura


A 5ª edição do Minas Trend Preview ocorrida em Belo Horizonte, de quarta-feira a sábado (04 a 07), teve a cultura mineira como foco principal da festa de abertura, realizada na noite de terça-feira (03), sob a curadoria de Ronaldo Fraga. “Moda só é moda quando ela vende mais que roupa. É quando ela vende a história, a cultura, o sentimento do lugar”, justificou o estilista. Os cerca de 1200 convidados, incluindo uma lista generosa de celebridades, conferiram a vocação artesã do Estado já no hall de entrada, onde uma instalação de bonecas gigantes feitas em lata, reinavam sobre tapetes de serragem, comuns nas festas religiosas. Roupas em tule branca balançavam em varais; um enorme mural de fuxicos e uma fileira de grandes bonecas de roca compunham a decoração. O tema “Oficina” foi o escolhido para a noite. “Eu quis valorizar o detalhe, o que é feito à mão, o um a um. Isso você observa da comida servida, ao buquê de ervas entregue aos convidados”, contou Fraga. Móbiles com imagens do Divino Espírito Santo formavam um lindo bando de pássaros, que se moviam à medida que as modelos desfilavam na passarela. “O que sobrar eu quero para minha casa”, gritou a modelo Mariana Weickert, em cima da passarela, pouco antes de gravar com o estilista para seu programa no canal GNT Fashion.
Com trilha de Milton Nascimento e grupo Uakti, 31 marcas de vestuário, calçados e acessórios deram uma prévia do Outono/Inverno 2010. A edição dos looks, assinada pelo stylist Daniel Ueda, misturou as conhecidas Victor Dzenk, Graça Otoni e Coven a grifes mais novas, dando um grande panorama do que é produzido no Estado. Fraga não deu um preview de sua coleção “ainda não dá para adiantar, vai que eu resolvo mudar no meio do caminho”, justificou rindo. Na passarela, prevaleceram os tons de preto, cinza, branco, nude e ouro-velho. Modelos com sobrancelhas e lábios negros e arranjos escuros nos cabelos exibiam modelagens com brilhos, aplicações, tiras, babados, laços, franjas e rendas. “Da minha marca apareceram os brocados, o tricot que é uma novidade, os adamascados e a alfaiataria”, observou Dzenk da plateia.

Negócios
Esta foi a maior edição do evento já realizada, com 163 grifes, incluindo vestuário, acessórios, bolsas e calçados, com 470 compradores nacionais e internacionais, além da cobertura de 150 jornalistas especializados. “A expectativa é que as vendas superem em 30% a 40% a edição anterior, informou Robson Braga de Andrade, presidente da Federação da Indústria de Minas Gerais (Fiemg), realizadora do Minas Trend Preview. Durante os quatro dias, ocorreram 23 desfiles, incluindo individuais e coletivos.

Celebridades prestigiaram a abertura
Muitas estrelas abrilhantaram a festa de Ronaldo Fraga. Fafá de Belém, Raí, Sorín, Luana Piovani, Mariana Ximenes, Cristina Franco, Zeca Camargo, Elke Maravilha, Bel Kutner, Edgar Piccoli e Samuel Rosa foram alguns nomes que marcaram presença. “É uma iniciativa super bacana e adoro estar em Minas. Das marcas locais eu gosto da Zezé Duarte, do Victor Dzenk e o Ronaldo Fraga para mim é uma referência”, disse Ximenes que viverá sua primeira vilã na próxima novela das oito, com estreia em abril. Uma das mais animadas e falantes era Luana Piovani. Durante o desfile, comentava os looks com Mariana Weickert, tirando a atenção de Raí que ficou entre as duas. “Acho que todo evento que abre espaço para o talento e a diversidade é positivo. É a oportunidade dessa gente talentosa que tem em Minas Gerais mostrar o seu trabalho, que é detalhado e minucioso”, observou a atriz, completando que está em uma fase feliz, preparando seu novo espetáculo infantil “O Soldadinho e a Bailarina” e vivendo bons momentos no namoro com o empresário Felipe Simão.

Abraçado a Ronaldo Fraga, Zeca Camargo era todo elogios para o estilista. “Vim, primeiro porque sou um fã e depois eu gosto de falar que sou um amigo. Sabia que se ele estava por trás disso, era certamente uma coisa de qualidade, sobretudo com criatividade”. Quando questionado sobre a celebridade que se veste melhor soltou: “Nossa, fácil! Essa semana entrevistei a Lady Gaga, 23 anos, ela simplesmente arrasa. Quatro horas da tarde ela estava vestida com um longo preto, com óculos escuros. E de homem, disparado, é o Lenny Kravitz, ele tem estilo”, afirmou o apresentador.

Orgulhoso, Samuel Rosa marcou presença ao lado da mulher, Angela Castanheira. “É muito bom ver Minas despontar ainda mais com esta iniciativa”. Ele ainda confessou de onde vem a inspiração para seu look. “Os Beatles acho que é mais a minha praia, é o que eu gosto. Até pelo corte de cabelo, das roupas que usavam. Não que eu ande por aí querendo ser o Paul McCartney ou John Lennon, mas esse tipo de movimento que teve na Inglaterra de música e moda nos anos 60 me interessa muito”, confessou o vocalista do Skank, completando que seu grupo está em uma excelente fase e que pensam, após dez anos, em fazer um disco ao vivo no ano que vem.

Desfiles
O desfile do dia 03 pontuou bem o que seria mostrado na maratona dos demais dias do evento. Cores escuras e seus degradês prevaleceram, indo do marrom ao nude, do rosa ao lilás. Paola de Orleans e Bragança, 26 anos, abriu a passarela no dia 04, desfilando no coletivo de acessórios, colar e pulseira Trois, look Claudia Mares Guia e sapatos Studio TMLS. “Primeira vez que venho, já ouvi dizer muito das baladas de Minas. Adorei a comida mineira. Sou jovem e quero aproveitar essa fase para desfilar e curtir a noite”, disse referindo-se a seus trabalhos esporádicos como DJ. Neste desfile, colares em preto e prata, sandálias altíssimas, botas de cano longo, bolsas e carteirões ditaram a tendência do inverno 2010: nada de delicadeza, prevalece o exagero do verão.

Na mesma data, a top Ana Claudia Michels, 28 anos, abriu o primeiro coletivo de vestuário usando um cocktail dress preto Maria Bonita Extra e sapatos Studio TMLS, encerrando com um curtíssimo vestido verde com brilho dourado da Faven. “É a segunda vez que participo e acho uma excelente iniciativa, pois deixa o Estado em outro patamar da moda”. Michels retornou para São Paulo no mesmo dia e adiantou que embarca para Londres nesta semana onde fará um editorial para a revista Elle inglesa. A top apenas sorriu ao falar do retorno do namoro com o empresário Tato Mazoni, deixando a dúvida no ar e disse que ainda quer descobrir em si outros dons além da passarela.

A top Carol Francischini, 20 anos, também esteve pela segunda vez no Minas Trend Preview, participando dos desfiles coletivos, nos dias 04 e 05. Ela confirmou o fim do namoro com o nadador César Cielo. “Nossa agenda é complicada. Agora, vou concentrar no trabalho. Tenho uma agenda pesada até o final do ano”, disse referindo-se ao retorno para Los Angeles, onde está negociando com um programa de TV, além de uma maratona fashion em Nova York e Buenos Aires. Depois, volta para as festas de final de ano com a família no interior de São Paulo.

Em seu desfile individual, a grife Celso Afonso buscou inspiração no punk, utilizando couro e camurça nos acessórios, cores fortes nos cintos e bolsas em pele de cobra, ornamentadas com correntes, tachas e peles. A marca Última Hora fez um mix de romântico e moderno, utilizando renda, muito xadrex, poá, tie-die, nas cores cinza, marrom e preto. Modelos volumosos de curtos e altura do joelho. A recém lançada
Chouchou, marca jovem da Patachou, usou o rock dos anos 80 e 90 como inspiração. Saias, vestidos, leggings, camisetas e jeans e modelos sobrepostos estiveram na passarela.

A Faven apresentou uma coleção romântica, com pitadas de militarismo e lúdico nas saias curtas de cintura alta, estampas de lacinhos e corações, além de vestidos e coletes. Prevaleceram as cores, preta, pink e cinza. A Vivaz levará o brilho para o inverno 2010. As peças foram inspiradas nas divas e músicas dance, valorizando bordados, paetês, canutilhos, nas cores preta, pink e cinza nos looks de festa. A Mary Design levou a cultura do artesanato para sua coleção “Para Comer com os Olhos”. Fitas, veludos, correntes e pérolas compunham os colares golas, os braceletes e pulseiras. Justificando o tema, chamaram a atenção as massas (macarrão) utilizadas no penteado das modelos.

Na quinta-feira, 05, a largada foi dada por Daniella Cicarelli, 29 anos, que vestiu dois curtos no desfile coletivo. “Vou usar duas marcas que adoro, que é esse modelo da Printing com ombro estruturado, super na moda. E este outro da Vivaz, com franjas e plumas. Essa é a segunda vez que venho, participei da primeira edição, abrindo o primeiro desfile. Então, posso dizer que estou aqui desde o começo. É uma delícia voltar neste momento tão gostoso”, disse referindo-se ao novo programa que vai comandar ao vivo ao lado de Otávio Mesquita, a partir do próximo domingo, 15. Em sua terra natal, aproveitou para rever a família, almoçar com a avó e visitar o Museu de Arte Contemporânea Inhotim. Sobre os rumores de um relacionamento com o empresário Rico Mansur por terem sido vistos juntos na praia de Ipanema, a apresentadora logo cortou. “Imagina, não. Ele passou, deu oi e pronto. Não, nunca. Não estou namorando. Estou focada no trabalho, na faculdade de direito e no meu esporte”.

A carioca Alessa mostrou roupas amplas e confortáveis em estampas multicoloridas, grafismos sofisticados, muito brilho e paetês. A maioria das peças estavam em cetim e crepe de seda. Em seus biquínis, maiôs e roupas de sol, a Cila retratou a floresta brasileira, com os rios representados em linhas geométricas, flores respingadas de negro remetendo ao descuido com a natureza. Tudo em marrom, cru, rosê, cinza, roxo, rosa, laranja, verde, azul e preto, com brilhos para lembrar o reflexo das águas. A Squadro utilizou muito tricô e renda, grafismo, brilho e pêlos em vestidos, calças e casacos.

Victor Dzenk levou a orquestra de Câmara do Sesi de BH para tocar ao vivo a ópera Orfeu. O estilista inspirou-se na mitologia grega, numa coleção que ele próprio classificou como muito sensual e feminina. “As modelagens são ultra drapiadas, muito caimento, volumes e malha fria. Fiz também uma homenagem a Madame Grès, precursora dos drapeados”, detalhou. O ator Stênio Garcia, 77 anos, compareceu ao desfile do amigo com a mulher Marilene Saade. “Todo ator tem que gostar de moda porque é arte, e é uma extensão de nossos personagens”, disse. “Dzenk é um grande amigo, ele fez o meu vestido de casamento. Eu o acompanho por onde for”, completou Saade, que ao lado do marido assistiu também aos desfiles de Patrícia Motta e Cláudia Mourão. Esta última apostou nas botas descoladas, em couro natural, nos tons de vinhedo envelhecido e efeitos manchados. Sapatos com bicos arredondados e saltos encorpados compuseram o look moderno e romântico. Bolsas em vários tamanhos, com detalhes em metal. Apostou em estampas de répteis, preto, amêndoa, cinza e variações do vinho. Patrícia Motta apostou no colorido e na linha bege e estampas de cobra, além de texturas em camurça e couro, com barras sanfonadas e babados.
A modelo e empresária Angelita Feijó, 41 anos, esteve presente no Minas Trend Preview como expositora e na plateia de alguns desfiles. A marca de calçados que leva seu nome, com design criado por ela, participou da feira de negócios. “Conheci o evento na edição passada, quando compareci ao desfile do Victor. Agora, vim também como empresária porque acredito que Minas tem um enorme potencial de crescimento”, disse.
As tops Carolina Ribeiro e Mariana Weickert participaram dos desfiles coletivos na manhã de sexta, dia 06. Mariana esteve na abertura gravando para seu programa e comentou ser a quarta edição que participa. “A mostra é bacana para as pessoas já desejarem comprar para o inverno e com bastante antecedência”. Empreendedora, disse que não deixa faltar em seu guarda-roupas os biquínis de sua recém lançada marca, Alor.

Desfilaram também as marcas Apartamento 03, Camaleoa, Fruto do Mar e Paula Bahia. O encerramento foi da Patachou, que usou o tema força e leveza na coleção. Força aparece nas tachas, armaduras, metais, ombreiras e silhuetas marcadas. A leveza está nos voais e nas peças desconstruídas. O preto se descompõe no ferro, alumínio, petróleo e ouro. Para o inverno 2010, a Alphorria Cult inspirou-se nos cabarés de Paris e Berlim, além dos históricos salões cariocas. Corset, boudoir, peças em alfaiataria, microvestidos, calças carrots, pregas e pernas afuniladas nas cores preta, prata, vermelha e ouro estiveram na passarela.

Nenhum comentário: