sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Lenis Rino lança CD autoral

Lenis Rino, percussionista e compositor, parceiro de nomes importantes no cenário nacional da música, lança seu primeiro trabalho autoral, “Cabeça de Pipa”, pelo selo Traquitana. O CD traz 11 faixas, marcadas com fortes referências do Rap, Dub e MPB. Em Belo Horizonte, o show de lançamento ocorre no dia 18 de março, às 21h, no Teatro Dom Silvério, com a presença dos convidados Marina Machado, Kiko Klauss e MC Gaspar, que também participaram do CD. No palco, Lenis Rino cuida da programação, bateria e voz e vem acompanhado pela banda composta por Pedro Vianna (percussão), Alex Lima (trompete), Felipe Fantone (baixo), Rafael Macedo (piano) e Jose Lopes (voz).


O disco traz uma equipe de destaque na música brasileira. “Não é um trabalho apenas de cantor, mas muito de produção musical. Além de compor, canto e também convidei amigos para cantar”, diz Lenis Rino. Em todas as faixas os arranjos são do próprio Lenis, que também assina a produção, junto com Bruno Buarque (Barbatuques e Céu). Foi mixado por Kiko Klauss e masterizado por Gustavo Lenza, um dos maiores técnicos do país (técnico de som da Céu, Curimim, Nação Zumbi e outros). Além disso, o CD sai pela Traquitana, selo paulista que tem lançado uma nova geração de músicos como Cris Scabello, Karina Buhr, Anelisa Assumpção, Pipo Pegoraro, Lucas Santanna e outros. O disco tem participações especiais de músicos como Marcelo Mariano, Bruna Caram, Alberto Continentino, Mc Gaspar, Kiko Klaus, Anelis Assumpção, Marina Machado, Marina Pitier, Denis Duarte, Bruno Buarque e Flavia Maia.

Lenis Rino começou seu trabalho profissional e logo se destacou como percussionista e compositor. Em Belo Horizonte e São Paulo contribuiu consideravelmente para a cena musical contemporânea e no que se refere à formação e divulgação de blocos de percussão. Produziu o CD da extinta Orquestra de percussão “Elefante Groove” e participou de vários trabalhos de nomes expressivos da música de Minas Gerais e São Paulo. Em 2005, ganhou o prêmio de melhor trilha sonora do espetáculo de dança/circo da Companhia Suspensa, à partir daí começou a produzir diversas outras trilhas de espetáculos de dança e teatro. Atualmente, o músico é produtor de trilhas premiadas e integra as bandas de Marina Machado, Kiko Klaus, Elisa Paraiso e Wander Lee.

Em “Cabeça de Pipa” Lenis Rino mostra suas produções e composições que concluem seu processo musical com todas as influências adquiridas desde o inicio de sua carreira. “É um disco eclético, de formato bem brasileiro, com forte influência do que eu ouvi a vida inteira, que é o dub, o rap, o reggae, o maracatu, o candomblé e o samba. Em BH há nove anos, tocando com mineiros, meu trabalho também tem fortes influências dos músicos da cidade, dos quais já trabalhei direta ou indiretamente, como Marina Machado, Milton Nascimento e Renegado. É um trabalho peculiar, não é só rap, nem só MPB, nem só maracatu, é uma mistura”, explica Lenis Rino.



Cabeça de Pipa – Faixa a faixa, por Lenis Rino
A música que dá título ao disco “Cabeça de Pipa”, não está presente no CD. Só será conhecida pelo público no show. Isso porque foi criada depois que o material estava pronto. “O nome do CD remete à ideia de que é permitido “viajar”, deixar os pensamentos fluírem, mas sem se perder. Tem que ter os pés firmes no chão, cuidar de suas responsabilidades, com consciência, e ao mesmo tempo soltar a criatividade, se divertir. A cabeça a gente deixa ir, deixar viajar, leva os pensamentos para longe, mas sempre sabendo onde você está, com prudência. No entanto, a letra só veio quando eu vi, literalmente, um “cabeça de pipa” na rua. Era um andarilho, no meio do trânsito, com a mão na frente do rosto, mirando o horizonte. E é disso que a música fala.”

1 - Base Forte - Lenis Rino, Kiko Klauss (letra) / Bruno Buarque e Lenis Rino (arranjos)
“Tem uma levada do rap,com uma levada do candomblé, sendo que o kiko dá um ar regional pelo sotaque nordestino, quando ele canta. A letra fala da família como referência para uma base forte na educação e para a vida. O título foi inspirado no nome da empresa do meu pai, que é de fundação de pontes”.
2 - Flores de Fevereiro – Lenis Rino, (letra e arranjo) Denis Duarte (arranjo) MC Gaspar (letra). Participação de MC Gaspar (do Záfrica Brazil, um grupo de Taboão da Serra,sp, localidade sede de vários grupos de rap como Sabotagem e Racionais MC).
“Trata-se de uma salsa com rap, é um rap cubano. A letra sugere como manter a fertilidade, mesmo com coisas ruins. Como ter flores o ano inteiro. É a ideia de você ter que continuar, manter a cabeça para fora da lama mesmo com os percalços da vida.”
3 – Ruta Clan – instrumental – Lenis Rino
“É um clã roots, um funk soul. É uma marcha, um passo a passo, como a chegada de um clã deve ser. É a música de abertura do show, que passa a sensação de firmeza, com pouca nota, com tempo marcado. Música simples, que tem um compasso ímpar, firme no chão.”
4 - Trindade – Lenis Rino (arranjo e letra). Participação no disco de Anelis Assumpção (filha de Itamar Assumpção).
“É ritmo Ragga, um dance flow jamaicano. Fala de você poder se abstrair de tudo num passe de mágica. A letra diz: “Agora sim, se desse tempo ia sair daqui. Por asas nas costas e sair por aí. Do céu dá pra se ver bem melhor por aí”.
5 - Maleável Mano – Lenis Rino, Bruno Buarque (arranjos) / Denis Duarte (letra)
“Essa é um bailão. É um afrobeat, ritmo que está em ascensão, uma tendência mundial. É bem dançante. A letra diz: “Sou maleável mano, sou mole como água mané...”
6 - Monkey Style – Lenis Rino (arranjo, letra).
“Uma mescla de samba, reggae e dub. É a musica do trabalhador no sentido mais literal da letra. É o plantar para colher, criar família através da terra. Monkey Style é o pulando de árvore para a lama não te afundar, não te pegar. É o estilo macaco mesmo. A letra diz: “Plantador de mandioca que sustenta a família, luta do pão de cada dia””.
7 – Zalap – Denis Duarte (letra )lenis rino(arranjo). Participação no disco de Bruna Caram.
“É a música mais ouvida no www.myspace.com/lenisrinosantos. Zalap é o barulho do facão cortando. A chuva cai, molha a ladeira, para subir escorrega, o facão abre caminho na mata. É um afrobeat acústico”.
8 - Cheiro Dela – Lenis Rino (letra e arranjo). Participação especial de Marina Pittier (do Palavra Cantada e Antônio Nóbrega).
“ É um samba de roda dub psicodélico. Fala da sorte passando por perto, de ficar atento à espera da sorte. Faz uma ambigüidade com a espera dela, que pode ser uma pessoa ou a própria sorte mesmo.”
9 – Quase Uma - instrumental – Lenis Rino.
“Surgiu de uma trilha para a abertura do espetáculo Quase Uma, do Grupo Nau de Ícaros (SP). Trata-se de duas pessoas que estão tão juntas que quase vira uma só. É pesada, com pegada clássica, 6/8, esse ritmo africano.”
10 – De Andada – Lenis Rino (letra e música).
“É um dub mesclado com lounge. É a mais lenta do disco. Fala de sair de andada por aí: “Sigo em frente, sem olhar para trás. E é verdade que não deixei cair. Acreditando na sorte e no que sou capaz, vou de andada por aí. É assim que é, quando a terra treme e ninguém fica de pé”.
11 - Tempo de Anjo – Lenis Rino (letra e música) – Participação de Marina Machado. É a mais radiofônica do disco. É um loop eletrônico, mpc, violão e voz.

Serviço
Show de lançameno do CD “Cabeça de Pipa”, de Lenis Rino
Local: Teatro Dom Silvério – Avenida Nossa Sra. do Carmo, 230 – São Pedro
Data/hora: 18 de março, quinta-feira, às 21h
Ingressos: R$ 20,00 inteira e R$ 10,00 meia entrada
Valor do CD: R$ 10,00
Informações: (31) 3209-8989 e 2191-5700 www.myspace.com/lenisrinosantos

Informações para a imprensa:

Jozane Faleiro (31) 3261.1501 / 92046367 / 88280906 - jozane@ab.inf.br

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

14 anos sem Caio Fernando Abreu

Hoje é aniversário da morte de Caio Fernando Abreu. São 14 anos. Volto ao assunto do Caio porque ainda não finalizei o livro que traz cartas escritas por ele aos seus amigos. Estou encantada e fico poupando o livro para não acabar. É uma delícia ver a amizade, a sinceridade dele ao tratar com as pessoas e expor tanto sua vida. Trabalho no Sempre Um Papo e pedi ao Afonso Borges, diretor do projeto para fazer um programa Mondolivro (que vai ao ar diarimente pela rádio Guarani FM) sobre o escritor. Vale conferir. Tem até mais dicas de leitura.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

"As Meninas" de Maitê Proença

Em 2009, Lygia Fagundes Telles entrou em uma disputa judicial contra a atriz Maitê Proença devido ao nome da peça da atriz que se chamaria "As Meninas". No final das contas, Maitê ganhou os direitos do nome e o espetáculo estreia em 12 de março em São Paulo, após temporada no Rio de Janeiro, onde ganhou a simpatia da crítica Barbara Heliodora. O texto é uma celebração à vida e marca o segundo trabalho de dramaturgia da atriz Maitê Proença, em parceria com o autor Luiz Carlos Góes. “As Meninas”, sob direção de Amir Haddad, faz temporada até 02 de maio, com sessões de sexta a domingo, no Cultura Artística - Itaim (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 – Itaim Bibi).

No palco, duas meninas – Rubi e Luiza – conversam e relembram a infância ao lado do corpo da mãe. A atmosfera trágica do espetáculo desaparece diante do público, quando, recebe um tom de festa e fantasia, incorporado aos diálogos das quatro personagens, interpretadas por Analu Prestes, Clarisse Derzié Luz, Sara Antunes, Patrícia Pinho e Vanessa Gerbelli.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Imagens marcam

Quem nunca escutou que "imagem, às vezes, diz mais que palavras"? Algumas são tão marcantes e inesquecíveis que levamos pela vida. Em família, tem aquela que sempre retorna à mente, como o nascimento, celebrações e até momentos de dor. E há situações que o que mais queremos é congelar aquele momento, aí entra a fotografia. Antigamente, usava-se fotografar os entes nos caixões. Minha tia mesmo sofreu no velório de meu pai, por ter esquecido a câmera. "Tenho de meus pais e de meus outros irmãos que se foram", me disse. Esse fato aí ficou na memória, é daqueles que a gente não esquece. Outro: no nascimento de minha filha, a câmera (que ainda era de filme), por descuido, estava com um filme já batido. Resultado: a imagem do momento mais importante da minha vida está sobreposta a de uma festa junina. Ficou na memória.

E que não se lembra dessa foto, do fotógrafo norte-americano e membro da Agência Magnum, Steve McCurry, conhecido mundialmente pela foto da refugiada afegã de apenas 13 anos que foi capa da Revista National Geographic em 1985? Sensacional.

 Para quem curte fotografia, ele estará em São Paulo entre os dias 20 e 22 de maio. No dia 20, a partir das 19h30, McCurry fará palestra pública gratuita com tradução simultânea no MIS – Museu da Imagem e do Som. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes na entrada do auditório principal. Já nos dias 21 e 22 de maio, o fotógrafo ministra workshop sobre seu trabalho e suas técnicas para fotografia jornalística e documental. Com vagas limitadas, o workshop será uma grande oportunidade também para os participantes conhecerem imagens de viagens e pessoas fotografadas por McCurry. Para mais informações sobre a vinda do fotógrafo ao Brasil, basta acessar o site http://www.spphotofest.com.br/, ou entrar em contato com a organização do evento pelo telefone (11) 5051-1055 ou pelo email contato@spphotofest.com.br.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Atendimento é tudo

Exemplo de bom atendimento mesmo com casa lotada tornou-se coisa rara em qualquer restaurante e outros estabelecimentos do Brasil e do mundo. Neste domingo ensolarado, 22, o Bar do Marcinho estava com todas as mesas ocupadas, contando com a fidelidade dos motoqueiros que perdura, mais a clientela da cidade buscando ar puro e brisa do mato. Impressionou a presteza no atendimento: em menos de dois minutos uma jarra de limonada com gelo e cerveja gelada estavam na mesa, seguidos dos tira-gostos e pratos principais caprichados. Os pedidos chegavam na medida e tempo justos. E para tornar a escolha do almoço ainda mais certeira, Seu João, prata da casa, com seu jeitinho de puro e nato mineiro, chegava de tempos em tempos, todo prosa! De cortesia? Café fresquinho e doces de leite à vontade.

Nota zero para o atendimento das Casas Bahia, loja do BH Shopping. Na sexta-feira, 19, a loja estava vazia, com menos de um cliente por vendedor. Na tentativa de comprar um ferro de passar roupas, em dinheiro, a resposta foi: "desculpe, senhora, não trabalho neste setor. Vendo áudio e vídeo". Em menos de 10 minutos, a senhora deixou a Ricardo Eletro com seu eletrodomestico.

PS: em meados de 2009, essa mesma senhora deixou as Casas Bahia e foi para a Ricardo Eletro comprar uma TV 42". O vendedor da primeira disse que o eletro nao caberia no Fox da compradora. O outro foi ate o carro, mediu e vendeu a TV. Tudo em meia hora.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Incentivo à leitura com doação de livros

Há livros que lemos e ficamos tão apegados com a história ou identificamos com o autor que é impossível passar à frente. Mas tem aqueles também que de tão bom queremos que todos leiam. São estes que podemos doar, que devemos, na verdade. Mas como doar na certeza que será feito um bom uso?

O projeto Sempre Um Papo, o mais respeitado projeto de incentivo à leitura do país, com 24 anos de história, promove encontros com autores, com entrada gratuita, mediante a doação de um livro novo ou usado. O material recolhido é doado para bibliotecas comunitárias adotadas pelo projeto. E na próxima semana mais uma leva de livros recebidos serão entregues em BH.

Trata-se do  “Biblioteca Sempre um Papo – Ler Convivendo” que levará o escritor Luis Giffoni para visita e entrega de acervo para quatro bibliotecas comunitárias selecionadas pelo projeto. Nos dias 22 e 23 de fevereiro, segunda e terça da próxima semana, o autor se encontra com representantes das bibliotecas e pessoas da comunidade, para a entrega de cerca de DOIS MIL títulos literários para cada local, incluindo livros novos e usados. O material foi selecionado a partir da análise do perfil de cada espaço, priorizando títulos clássicos e lançamentos. A proposta é que a melhoria do acervo gere um boca-a-boca na comunidade, a partir de suas lideranças sociais e educacionais possibilitando ainda mais o acesso à leitura. Muitos autores já participaram deste evento. Na foto, MV Bill faz entrega em Cubatão.
                                                    Serviço:

“Biblioteca Sempre um Papo – Ler Convivendo”
22/02 - segunda-feira - 08h - Biblioteca Sonhos Kids - Rua Cristina Maria de Assis, 603, Bl. 09 - Bairro Califórnia
22/02 - 10h - Biblioteca Comunitária da Associação Jeová Jiré - Rua Antônio Giarola, 51 – Bairro Céu Azul
23/02 - terça-feira - 08h - Biblioteca Comunitária Maria das Graças de Paiva Menezes - Rua Furquim Werneck, 645 – Bairro Tupi
23/02 - 10h - Biblioteca Comunitária São José de Calasanz - Rua Edson Luiz de Miranda, 119 – Bairro Maria Goretti

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Terça Insana vem aí

A trupe de Terça Insana inicia a turnê "A Curiosa Teatroteca da Terça Insana", com cenas inéditas e personagens criados pela atriz e diretora do grupo, Grace Gianoukas e seu atual elenco fixo, Guilherme Uzeda e Agnes Zuliani e os novos integrantes Renato Caldas e Artur Kohl. Dois representantes consagrados de uma geração de atores que, como Grace, surgiu nos anos 80 e se destacou pela inventividade e originalidade. Em BH, no Palácio das Artes, de 12 a 14 de março, dentro da programação do Teatro em Movimento, da Rubim Produções. Até lá, nos divertimos pelo canal da turma no youtube.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Motivos para se casar com jornalistas

Recebi essa lista de 40 motivos para se casar com um jornalista. Foi escrita por uma estudante de jornalismo, Ariane Fonseca. Compartilho. É divertida!


1. Jornalista geralmente é criativo, ele vai surpreender você quando menos esperar;

2. São curiosos e antenados, você sempre ficará por dentro de tudo que acontece;

3. Eles não ganham bem, mas isso é bom porque vocês podem aprender a economizar dinheiro;

4. No Natal, Ano Novo, Carnaval… eles provavelmente estarão na redação. Mas, pense pelo lado positivo: antes trabalhando do que vagabundando;

5. E outra! Trabalhando muito, eles não têm tempo de se interessar por outra pessoa;

6. Eles não são bons de matemática, mal sabem somar e subtrair; mas, para que saber isso se são os mestres da escrita?;

7. Acostumados com pautas, são bem organizados e planejam bem as coisas antes de fazê-las;

8. Como é fissurado por fontes, quando você tiver uma ótima ideia, ele não vai dizer aos amigos que foi coisa da cabeça dele. Dará todas as honras para você!;

9. Como vivem numa rotina corrida, não tem muito tempo para opinar nas coisas da casa. O que você fizer, ele vai achar lindo;

10. Tudo é um grande brainstorm (tempestade de ideias). Monotonia não vai entrar na sua casa!;

11. Quando vocês brigarem, ele não vai achar que a opinião dele é a melhor. Tem que ouvir todos os lados de um fato, ele saberá analisar a situação!;

12. Em coberturas de grandes eventos, você poderá entrar de gaiato. Cada final de semana em um lugar diferente: jogos de futebol, avenida de escola de samba, lançamento de livros…;

13. Mantêm revistas e jornais no banheiro. Você nunca ficará olhando para o vácuo enquanto faz suas necessidades fisiológicas. Ganhará conhecimento!;

14. Idolatram pessoas totalmente desconhecidas (o seu Zé, a Dona Maria, o Juquinha…) Todos com ótimas histórias de vida que vocês podem usar no cotidiano também para se tornarem pessoas melhores!;

15. Não vai faltar café na sua casa. Café e jornalista são praticamente sinônimos;

16. Ele pode escrever os votos matrimoniais da sua irmã, criar o conteúdo do site de negócios do seu pai, ensinar sua mãe a tirar fotos das amigas nos eventos do bairro. Ele aprende de tudo um pouco e gosta de compartilhar!;

17. Tudo para o jornalista tem uma explicação. Eles nunca vão se contentar com a primeira versão de um fato. Você sempre terá uma resposta, mesmo que demore;

18. São ótimos investigadores. Se alguém no trabalho passar a perna em você, rapidinho ele descobre quem é!;

19. Como trabalham muito, não tem tempo para beber demais, fumar, se envolver com drogas… Você terá um companheiro saudável!;

20. Tá bom, vai… eles não costumam comer coisas muito saudáveis. Mas se você for legal e fazer comida para ele levar ao trabalho, isso se resolve rapidinho, não é? =);

21. Suas viagens nunca serão monótonas! Se acontecer qualquer movimento estranho, ele vai logo querer saber o que é e infiltrará você junto para desvendar o problema;

22. Amam roupas leves e simples no dia a dia. Você não vai gastar muito dinheiro com isso;

23. Mas também sabem se arrumar bonitinhos para os eventos. Você terá um parceiro que sabe ser simples, mas também sabe arrasar. Tudo vai depender da ocasião;

24. A agenda é o seu melhor amigo. Mas, não fique com ciúmes! Pense pelo lado positivo, nunca vai esquecer nenhuma data importante, porque tudo fica rigorosamente descrito lá;

25. Eles não ficam irritados com “nãos”, afinal, estão acostumados com assessorias de imprensa que não querem divulgar os bafões. Você não terá um companheiro irritado, mas, em compensação ele não vai desistir até conseguir o que quer. Mas só de não se grosso já vale, não é!?;

26. Como são antenados, também sempre ficam sabendo das novidades tecnológicas primeiro. Às vezes, até ganham de presente para testar a ferramenta. Você terá tudo em primeira mão na sua casa;

27. Eles não se importam com calor, chuva, trovões… afinal, precisam estar onde a notícia está! Você poderá ir na praia com 50 graus tranqüila ou aquela viagem dos sonhos pode se tornar um pesadelo no caos de São Paulo que ele não vai blasfemar. Ainda vai dar risada da situação;

28. Acham que podem salvar o mundo com uma matéria. Olha que sensibilidade!;

29. Eles sempre sabem tudo todo o tempo;

30. Gostam de música para acalmar;

31. Leem livros raros, histórias para crianças e semiótica… Seus filhos serão super dotados se depender dele;

32. Sua vida social é infinitamente grande. Você nunca poderá reclamar que não conhece gente nova;

33. Eles estão acostumados com coisas chatas e sabem contorná-las muito bem. O casamento nunca vai virar algo monótono;

34. Eles gostam de camisas com estampas de alguma brincadeira sobre algo atual. Suas amigas vão ficar com inveja do seu companheiro inteligente;

35. Eles sempre têm uma opinião sobre qualquer coisa na face da Terra. Durante uma conversa entre amigos, vocês nunca ficarão apagados;

36. A maioria gosta de virar psicólogo, técnico de futebol e médico às vezes. Você terá um companheiro mil e uma utilidades;

37. Por causa da profissão, são forçados a aprender mais de um idioma. Você vai ouvir “Eu te amo” em, pelo menos, umas três línguas diferentes;

38. A primeira coisa que seu filho vai aprender é que a informação é a alma do negócio. Com dois anos, sua fofurinha vai saber o que é aquecimento global, mercado financeiro e já saberá criticar políticos;

39. Gostam de mudar de cidade, estado e até de país. Você conhecerá muitos lugares!;

40. Assistem documentários e vão a museus o tempo todo, não importa o que seja. Ô cultura!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Pena Branca - saudade dupla

A notícia da morte do cantor caipira Pena Branca, 70 anos, trouxe-me uma lembrança da infância. Das manhãs de domingo no interior, com meu pai assistindo a um programa de TV em que diversas duplas caipiras cantavam e tocavam suas violas. As letras tristes tornavam o dia ainda mais lento, e o domingo se arrastava... a hora do almoço custava a chegar e o jeito era brincar no grande quintal escutando de longe o "chorar da viola" e a minha mãe gritando para meu pai diminuir o volume da TV.

Naquela época, nem faz taaanto tempo assim, cerca de 20 anos,  eu nem imagina que teria a oportunidade de trabalhar com Pena Branca. Fiz por duas vezes a assessoria de imprensa de shows que ele faria em BH. A primeira foi em 20 de abril  de 2005, quando ele foi o convidado especial de Renato Teixeira no show de comemoração de seus 60 anos. Foi no  lançamento do projeto Cancun Viola. À época eu era assessora de imprensa do Café Cancun e a agenda de entrevistas foi dividida entre os dois músicos. Minha lembrança traz uma figura calma, de roupa branca, sentada pacientemente no hall do hotel, esperando a equipe de televisão chegar. A produtora que acompanhava Renato Teixeira e os músicos estava histérica, descontrolada pelo atraso (registro que essa moça foi uma das piores pessoas que já trabalhei nos últimos anos) e ele me chamou pertinho dele e me disse baixinho: "finge que não está vendo. Há pessoas que gostam de aparecer. A reportagem vai chegar e vamos gravar, sem problemas. Sempre dá tempo..." e sorriu pedindo uma água. E deu tempo mesmo, o show foi um sucesso e a divulgação sensacional.

Na foto acima, ele aparece posando para o projeto Os Violeiros do Brasil, coordenado por Myriam Taubkin que traz em livro e DVD a história da viola e de 11 dos principais violeiros do país. Novamente revi Pena Branca em Belo Horizonte quando o Sempre Um Papo - projeto que sou assessora de comunicação - lançou, em maio de 2009, o livro com bate-papo com alguns violeiros e logo em seguida todos fizeram um lindo show no Chevrolet Hall.

Saudade em dose dupla, de meu pai e de Pena Branca.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Maratona - teatro, artes plásticas, cinema, música e literatura

O cenário cultural em BH não pode estar melhor. Tem programação para todos os gostos e idades. Tenho presenciado as mais diversas manifestaçõe da arte, isso só na última semana.

No teatro, está no ar dois importantes festivais : Campanha de Popularização do Teatro e da Dança e o Verão Arte Contemporânea. "Cheiro de Chuva", com Christiane Antuña e Omar Jabur, traz um texto forte, divertido e sensível, que narra lembranças, pensamentos e diálogos de uma professora de dança e seu aluno. Tudo se passa o último dia de aula de de um homem que foi levado pela mulher a uma escola para aprender a dançar. Daí, surge a paixão proibida entre aluno e professora, que usam a mudança do tempo como ponto de partida para a conversa. Cenário simples, com um grande paredão que hora faz parecer uma academia com espelhos, ora até deixa de existir. O jogo de luz é importante na marcação das cenas.

Nas artes plásticas, a abertura da exposição de Eduardo Kac, com a presença do artista, traz obras criadas entre 1982 e 1998. Trabalhos que exibem poesia digital e a videoarte. Há peças para o público interagir utilizando um mouse, muda formas e posições de objetos. Num enorme cone, poemas surgem, montados e desmonatdos, podendo você entrar na frente do refletor e se cobrir de letras. Não espere encontrar as obras que consagraram o artista, como a “GFP Bunny” – a coelha fluorescente em verde. Até o dia 7 de março, na galeria de arte do Espaço Cultural Oi Futuro.

Na música, a banda The Cranberries ficou impressionada com as 5,5 mil pessoas que esgotaram os ingressos do Chevrolet Hall. Eles (nós) não só compraram os tickets como fizeram coro em todas as canções. Dolores O’Riordan entrou com a bandeira de Minas amarrada ao pescoço, levando o público a soltar a voz em How, seguidas dos principais hits do grupo. Para quem gosta de bastidor, a turma ficou na cidade por mais dois dias, visitou Ouro Preto e cachoeiras dos arredores.

Zeca Baleiro passou pelo Teatro Alterosa, para piloto do programa “Palco Guarani”, da Rádio Guarani. Um bate-papo, com participação da plateia e de internautas. Conversas à parte, o publico curtiu mesmo foi o pocket show exclusivo de mais de 40 minutos.

No cinema, crianças e adolescentes aos berros na pré-estreia de High School Musical Brasil, no Cinemark. Três atores davam autógrafos, tiravam fotos e animavam a turma antes da exibição. Um pouco desajeitados com a “fama”, sem saberem ao certo como posar, o que dizer ou escrever nos caderninhos dos fãs. Um grande novelão a la Disney, com lindos jovens dançando, cantando e paquerando.


Na literatura, deixe-se fisgar pelo conto “A Dócil” de Fiódor Dostoiésvski. Preciso, digno de uma montagem teatral. “... Pois enquanto ela ainda está aqui – tudo bem: me aproximo e olho a cada instante; só que amanhã vão levar embora e – como é que eu vou ficar sozinho?” Encontra-se no livro Duas Narrativas Fantásticas – A Dócil e O Sonho de Um Homem Ridículo, tradução de Vadim Nikitin, Editora 34.