terça-feira, 31 de maio de 2011

Entrevista com Laura de Mello e Souza

Gravei um programa Sempre Um Papo com a escritora paulista Laura de Mello e Souza sobre a biografia “Cláudio Manuel da Costa” (Companhia das Letras). Consagrado pelos versos de Vila Rica, poema dedicado à fundação da capital “das Minas Gerais”,  a vida do advogado e poeta é revisitada de maneira inovadora nesse perfil traçado por Laura. O programa inédito vai ao ar pela TV Câmara no dia 04 de junho, às 19h e terá reprise no dia 05 de junho, às 16h.  

Clique para assitir o programa na íntegra.

No livro, o leitor é transportado a Minas Gerais do século XVIII, onde Cláudio Manuel da Costa exerceu a carreira de advogado paralelamente à de poeta, engajando-se também no movimento da Inconfidência Mineira. Um dos temas mais polêmicos de sua biografia, sua morte, cujas circunstâncias nunca foram totalmente esclarecidas, que continua a motivar muita especulação.

Seu corpo foi encontrado em um cubículo na propriedade de um rico contratador, hoje conhecida como Casa dos Contos. A exaustiva pesquisa documental realizada em acervos brasileiros e portugueses, permitiu à autora preencher lacunas da vida do poeta, tomar partido em várias disputas historiográficas, ao mesmo tempo que revelou um homem dividido profundamente entre o reino de Portugal e sua colônia na América; entre a ilustração e a escravidão; entre a liberdade e os valores do Antigo Regime.

Gradativamente alçado a postos importantes da administração da capitania, Cláudio Manuel da Costa mantinha desde jovem um grande interesse pela poesia. O poeta integrava várias academias de letrados, principal instância de circulação da cultura erudita na América portuguesa da época.

Escrito nos intervalos de suas obrigações públicas, Cláudio Manuel imprimiu seu único volume de sonetos, éclogas e liras em 1768, ampliando a reputação de literato no Brasil e na Europa. Como demonstra Laura de Mello e Souza, sua poesia, junto com a de Tomás Antônio Gonzaga, é uma das mais relevantes da literatura setecentista no Brasil, pois, ao mesmo tempo que se revela marcadamente dominada pela reverência aos modelos clássicos, incorpora aspectos importantes da paisagem e dos costumes brasileiros

Laura de Mello e Souza

Laura de Mello e Souza é professora de história moderna no Departamento de História da USP, desde 1983. Escreveu Desclassificados do Ouro (1982); O Diabo e a Terra de Santa Cruz (1986); Feitiçaria na Europa Moderna (1987); Inferno Atlântico (1993); Norma e Conflito (1999); O Sol e a Sombra: Política e Administração na América Portuguesa do Século XVIII (2006), além de co-autora de 1680-1720 — O Império Deste Mundo (2000; coleção Virando Séculos) e organizadora de Cotidiano e vida privada na América portuguesa (1997; coleção História da Vida Privada no Brasil).

A autora já recebeu também vários prêmios durante sua carreira, entre eles, Prêmio Casa-Grande e Senzala (1994); Prêmio Manuel Bonfim (1998); Prêmio Jabuti de Ciências Humanas (1998); 44° Prêmio Alejandro José Calassa, União Brasileira de Escritores (2002); Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico (2002) e o Prêmio da Academia Brasileira de Letras na categoria História e Ciência (2007).

Ultimamente, tem trabalhado com aspectos da história das elites sociais e burocráticas no mundo luso-brasileiro do século XVIII e com a história comparada da religiosidade popular no mundo latino-americano entre os séculos XVI e XVIII.

Nenhum comentário: