sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ballet de Londrina em BH


Ao completar 18 anos, com  22 espetáculos, 11 turnês nacionais e 10 viagens internacionais, mais de 500 apresentações para 150 mil pessoas, em seu novo espetáculo, a companhia de 13 bailarinos apresenta:  “A Sagração da Primavera”, uma releitura da obra fundadora da modernidade que consolida uma linguagem coreográfica própria do grupo. Apresentação ocorre no dia 22 de setembro, próxima quinta-feira, no Sesiminas

Não é necessário mais que um palco nu e um grupo coeso de bailarinos para narrar uma história tão antiga quanto o percurso do homem na Terra. É peculiar da própria natureza, aliás, o ciclo que consome tudo o que é frágil, individual e delicado em prol da força coletiva. A morte é o único caminho possível para o florescimento da vida num mundo que se renova às custas de seu próprio fim. O Ballet de Londrina apropriou-se desse movimento brutal para conceber sua nova montagem, “A Sagração da Primavera”, que faz única apresentação em Belo Horizonte, no Teatro Sesiminas, dia 22 de setembro, quinta-feira, às 21h.
 O enredo é relativamente simples: baseada em uma antiga lenda russa, a peça narra a imolação de uma virgem, oferendada aos deuses da primavera em troca da fertilidade da terra. A jovem eleita dança freneticamente até a morte. As inovações, entretanto, residiam na forma de apresentar o ritual pagão ao público.

A Sagração da Primavera dá continuidade à pesquisa do coreógrafo Leonardo Ramos sobre a exploração da horizontalidade e de novos eixos de apoio e equilíbrio na locomoção dos bailarinos – característica que já ganhou status de ‘linguagem’ dentro de sua obra e da companhia. “Eu descobri há alguns anos que quando coloco o elenco em pé eu sou convencional. No solo eu consegui expor algo que é novidade até para mim”, afirma Ramos. Outro atributo que se consolida na nova montagem é a utilização de uma obra inspiradora para uma criação coreográfica original - procedimento de sucesso desde Decalque (2007), concebido pela companhia a partir do roteiro de Romeu e Julieta.

Desta vez, o empreendimento é ainda mais ambicioso. A companhia londrinense propõe uma leitura contemporânea para A Sagração da Primavera, considerada a primeira obra de vanguarda que definitivamente escancarou as portas da Europa para a modernidade. Com música de Igor Stravinsky e coreografia de Vaslav Nijinsky, o balé estreou em Paris na noite de 29 de maio de 1913 para nunca mais ser esquecido. As ensurdecedoras vaias no Théâtre des Champs-Élysées ecoaram como o grito agonizante de uma burguesia conservadora frente àquela novidade estética.

A música composta por Stravinsky subordinava melodia e harmonia ao ritmo. Seu andamento era assimétrico e complexo, com acentos perturbantes. O discurso sonoro, que se aproxima do ruído e tem claramente uma intencionalidade dramática, dava especial relevo para a percussão e para as repetições. Na dança, Nijinsky igualmente inovava ao introduzir tremores, espasmos e contorções na seqüência dos dançarinos, que também golpeavam com os pés um palco acostumado à leveza das sapatilhas. Tudo parecia espelhar o espírito da barbárie e do primitivismo.

Na montagem do Ballet de Londrina, Leonardo Ramos optou por uma versão não orquestrada da partitura de Stravinsky. Ela é executada por quatro pianos, que fazem o papel de todos os outros instrumentos. O cataclismo sonoro que brota do timbre pianístico, porém, logo encontra complementação na percussão dos corpos em choque com o tablado ou no sopro ofegante da respiração dos bailarinos. Essa é, aliás, das mais agressivas e pungentes coreografias já apresentadas pela companhia, que, este ano, completa maioridade. Desde a primeira cena, o que se vê é um embate cego entre forças rivais, um movimento frenético e devastador que elege algozes para subjugar vítimas inofensivas, um confronto sem perdão que sufoca os raros lapsos de lirismo.

Para tanto, o elenco desdobra-se em formações - ora individuais, ora coletivas; ora sincrônicas, ora tenazmente díspares - que ocupam principalmente os planos médio e baixo. A conjugação de corpos estendidos horizontalmente faz lembrar a geografia da natureza em constante transformação e em feroz avanço sobre si mesma. Há a dominância de quedas e lutas corporais, sem que para isso os bailarinos precisem elevar-se do solo em grande medida.

O figurino em tons de bege cobre os dançarinos para mostrá-los. Estes homens primordiais, vestidos pela nudez de suas próprias peles, movem-se num cenário vazio, recoberto apenas pelo linóleo preto. Tais elementos (ou ausências) evidenciam o primitivismo e a universalidade do tema. As cenas do palco são duplicadas e invertidas pela colocação de espelhos na parte alta. “Não é um cenário, mas uma maneira funcional de auxiliar a platéia a ver certos momentos do espetáculo, que está muito grudado ao chão”, explica Leonardo Ramos.

Ficha Técnica: Criação e direção: Leonardo Ramos / Música: Igor Stravinsky / Execução: Amsterdam Piano Quartet: Ellen Corver, Sepp Grotenhuis, Marja Bom, Gerard Bouwhuis / Assistente de direção: Ana Maria Aromatario / Ensaiador/assistente de coreografia: Cláudio de Souza / Produção: Danieli Pereira / Fotos: Isabela Figueiredo / Maitre convidada: Carla Reinecke (Teatro Guaíra) / Figurino: Ana Carolina Ribeiro / Iluminação/Cenografia: Felipe Chepkassoff / Técnico de palco: Roberto Rosa / Designer gráfico e Web: Luís Adriano Pilchowski / Textos (imprensa): Renato Forin Jr. / Pilates: Paula Mezzaroba / Elenco: Alessandra Menegazzo, Bruna Martins, Bruno Calisto, Carina Corte, Cláudio de Souza, Gláucia Leite, José Maria, José Ivo, Nayara Stanganelli, Marciano Boletti, Viviane Terrenta / Bolsista: Vitor Rodrigues / Realização: FUNCART – Fundação Cultura Artística de Londrina / Patrocínio: Lei de Incentivo a Cultura/ Ministério da Cultura, Prefeitura de Londrina/ Secretaria Municipal de Cultura, Empresas TIGRE, Instituto Carlos Roberto Hansen, P.B. Lopes & Cia Veículos Scania.

Sobre a Companhia Ballet de Londrina
Reconhecida pela crítica especializada como uma das melhores companhias de dança contemporânea fora do eixo Rio - São Paulo, a Cia. Ballet de Londrina é um grupo profissional atuante há 18 anos no cenário cultural. No currículo constam 22 espetáculos, 11 turnês nacionais e 10 viagens internacionais. Já são mais de 500 apresentações para 150 mil pessoas aproximadamente. De trajetória ininterrupta, a companhia se destaca pela contemporaneidade de sua temática, coesão, qualidade técnica e artística do elenco. Outra característica do grupo formado por 13 bailarinos é o aprimoramento da pesquisa de movimento na busca de uma linguagem coreográfica própria. O Ballet de Londrina, sob a direção de Leonardo Ramos, é mantido pela Fundação Cultura Artística de Londrina (FUNCART), uma organização não governamental cujo principal objetivo é democratizar o acesso à formação e produção cultural de qualidade, por meio de uma ampla rede de projetos.

Serviço:
Ballet de Londrina em  “A Sagração da Primavera"
Dia/hora/local:  22 de setembro, quinta-feira, às 21h, no Teatro Sesiminas – Rua Padre Marinho  60, Bairro Santa Efigênia - BH
Ingresso: R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia entrada)

Assessoria de imprensa:
Jozane Faleiro - jozane@ab.inf.br / contato@jozanefaleiro.com - Tel: (31) 92046367 / 3261.1501

Nenhum comentário: