segunda-feira, 16 de abril de 2012

Teatro em Movimento, com o patrocínio da FIAT, leva o Grupo Ponto de Partida a Betim

O premiado grupo de Barbacena faz única apresentação do espetáculo musical “Travessia”, na Casa de Cultura Josephina Bento, dia 21 de abril, sábado, às 20h, com entrada gratuita




“Un espace féerique où le public et les artistes célébrent la vie.”  Assim “Travessia” foi noticiada em Paris, onde se apresentou em 1996, nas comemorações dos 50 anos da Unesco e foi  aplaudida por uma plateia de mais de 1200 pessoas. “Travessia” não é apenas um show e também não é teatro. É uma mistura saborosa que leva o espectador por uma viagem. Ela conta a história do trabalho, da luta e da festa do povo brasileiro e faz um passeio pela música brasileira, em grande companhia, como Villa Lobos, Tom Jobim, Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Elomar, Gonzaguinha... “Travessia” é música encenada, é o som formalizado em imagens. É nesse ritmo que o projeto Teatro em Movimento, da Rubim Produções, chega a Betim, com o patrocínio da FIAT, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. A montagem, do premiado Grupo Ponto de Partida, faz única apresentação, na Casa de Cultura Josephina Bento, no dia 21 de abril, sábado, às 20h, entrada gratuita.

Em “Travessia”, às vezes a música é o texto dramático, às vezes apenas o ritmo é o condutor e às vezes ainda a cena determina a música. Em todas essas formas, quase sempre, o resultado é surpreendente. No espetáculo, o Ponto de Partida continua sua pesquisa de linguagem em que o ator é o centro da encenação. Ele canta, dança, interpreta, empresta seu corpo para desenhar o espetáculo. O palco está nu e os elementos de cena tanto são signos para leitura do espetáculo, como instrumentos de percussão.

“Travessia” tem uma carreira essencialmente internacional, com temporadas na África, na América Latina e na Europa. É um espetáculo que tem o jeito e o cheiro do Brasil. Que ritualiza nossa alegria, brinca com nossos ritmos. Está desenhando com nossa negritude e nossa latinidade. A intenção é cantar nossas raízes e nossos sonhos, nossas particularidades e nossos pontos de contato com todo homem. Enfim, “Travessia” quer ser um ritual, uma festa. Um espaço mágico onde o público e o elenco celebrem a vida!

FICHA TÉCNICA
Atores: Carolina Damasceno / João Mello / Lido Loschi / Lourdes Araújo / Pablo Bertola / Regina Bertola/ Soraia Moraes / Érica Elke / Daniela Costa - Músicos: Gilvan de Oliveira – violão / Serginho Silva – percussão - Concepção e direção: Regina Bertola - Direção musical e arranjos:  Gilvan de Oliveira - Preparação vocal : Babaya - Figurino : Alexandre Rousset e Terezza Bruzzi - Assistente de figurino : Beth Carvalho – Iluminação:  Jorginho de Carvalho - Técnico e operador de luz - Rony Rodrigues - Produção gráfica -  Dani Costa e  Júlia Medeiros


SERVIÇO:
“Travessia”, com Grupo Ponto de Partida
Dia/ horário: 21 de abril, sábado, às 20h 
Local: Casa de Cultura Josephina Bento – Rua Padre Osório Braga, 18, Centro - Betim
Entrada Gratuita – sujeita à lotação do espaço
Duração: 80 minutos
Recomendação: livre
Informações: (31) 3532-2911


Assessoria de imprensa : Jozane Faleiro e Afonso Borges – (31) 92046367 / (31) 3261.1501 – jozane@ab.inf.br
 Teatro em Movimento
O projeto Teatro em Movimento, coordenado pela Rubim Produções, de Tatyana Rubim, foi criado há 10 anos, com o objetivo de descentralizar o acesso às grandes montagens do eixo Rio-São Paulo, promovendo a circulação dos mesmos para outros Estados e também pequenas cidades. Inicialmente, atuando em Minas Gerais e seu entorno, valorizando também a produção mineira, o projeto levou a Belo Horizonte e algumas cidades do interior, espetáculos com peso nacional, tendo no elenco atores como Paulo Autran, Debora Bloch, Glória Menezes, Diogo Vilela, Antônio Fagundes, Nicete Bruno, Paulo Goulart, Marco Nanini, Regina Duarte, Ney Latorraca, Tony Ramos, Luana Piovani, Lilia Cabral, Rodrigo Lombardi, Cláudia Raia, Marisa Orth, companhias mineiras como Luna Lunera, Espanca!, Armatrux, 1º Ato e Suspensa, dentre outros. Desde sua criação, foram mais de 150 peças e shows que somam 477 apresentações. Em 2011, o projeto atuou em diversos Estados brasileiros, sendo co-realizador da circulação dos espetáculos do grupo Ponto de Partida nas cidades de Mariana (MG), São Luiz (MA), Vitória (ES) e Aracajú (SE).
Os resultados do projeto vão além da inclusão das cidades na circulação das montagens. A iniciativa possibilita a formação de um espectador mais crítico e de um público mais preparado e habituado a lotar as salas dos teatros. A ideia é consolidar o hábito de ir ao teatro e fomentar a cultura das artes cênicas, por isso os espetáculos acontecem ao longo do ano e não concentrados em um curto período como nos festivais tradicionais. O teatro, sendo um agente de transformação social, é capaz de atuar como um difusor de ideias e de cultura podendo ser usado como um instrumento de comunicação. Para ratificar a potencialidade de transformação social e cultural do teatro e colocar em prática os objetivos do projeto, o Teatro em Movimento ainda promove, sempre que possível, oficinas gratuitas, palestras e workshops para profissionais da área e interessados. Dessa forma, cria-se uma rede de circulação de informação fortalecendo a possibilidade de sustentabilidade do setor cultural.
 Grupo Ponto de Partida
O Ponto de Partida é um grupo de teatro com 30 anos de atividade. Foi fundado em Barbacena, por artistas que decidiram que não deixariam a cidade, mas também não aceitariam os limites da província. Assim, tornou-se uma companhia de repertório, itinerante, independente, com 20 profissionais em exercício permanente, criou e sistematizou métodos e processos de produção e uma dramaturgia brasileira que sustenta seus 31 espetáculos montados. Apresentou-se pelo Brasil, África, Europa e América do Sul. Nestes anos conviveu ou trabalhou com figuras referenciais da cultura brasileira como Milton Nascimento, Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Paulo Gracindo, Jorge Amado, Manoel de Barros, Álvaro Apocalypse, Maestro Ademarzinho, Adélia Prado, Bartolomeu Campos de Queirós, Dori Caymmi e com meninos, operários, policiais, anônimos que marcaram sua trajetória. Experimentou vivências inesquecíveis em suas viagens. A Angola, em plena revolução. Em Paris, onde representou o Brasil nos 50 anos da Unesco e apresentou-se, anos depois, no Théâtre des Champs-Élysées com os Meninos de Araçuaí e Milton Nascimento. Nas temporadas em Montevidéu, onde conviveu com o lendário diretor do El Galpón, Atahualpa del Cioppo. Em suas andanças pelo interior de Portugal apresentando-se em antigos claustros, ruínas de castelos, teatros centenários, ou em dezenas de espaços por todo o Brasil.
Atualmente o Ponto de Partida é responsável direto pela formação ou o trabalho de 323 pessoas que se dividem e se somam em suas diversas atividades e projetos, como a Bituca: Universidade de Música Popular e os Meninos de Araçuaí.





segunda-feira, 2 de abril de 2012

Teatro em Movimento apresenta “O Libertino”, dias 14 e 15 de abril, no Teatro Sesiminas







Dirigido por Jô Soares, Cassio Scapin é O Libertino, de Eric- Emmanuel Schmitt, um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea, que se inspirou no filósofo francês Diderot (1713 – 1784) para compor essa comédia que oferece, de maneira não acadêmica, divertida e envolvente introdução ao pensamento filosófico


O projeto Teatro em Movimento, da Rubim Produções,  traz a Belo Horizonte o elogiado espetáculo, “O Libertino”, com os atores Cassio Scapin, Luciana Carnieli, Luiza Lemmertz, Tânia Casttello, Erica Montanheiro e Daniel Warren. A peça narra um episódio ocorrido com Denis Diderot, um dos ícones do pensamento na França do século XVIII, que se retira para descanso num castelo na área rural de Paris, onde de urgência é solicitado para que escreva o verbete: Moral, para “A Enciclopédia”, obra que ele mesmo já vem se dedicando há muito tempo, como editor. A montagem fica em cartaz dias 14 e 15 de abril, sábado e domingo, no Teatro Sesiminas.

Em BH, o Teatro em Movimento tem o apoio cultural do Instituto Unimed BH, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

A adaptação de Jô Soares, que também dirige a comédia, mantém os
 diálogos elaborados com as mesmas ação e fluidez presentes na obra do francês Eric-Emmanuel Schmitt, apresentando questões relevantes como: conduta moral, ética, sexo, amor, relações de poder. O texto permite ao expectador divagar divertidamente por essas questões. “Assim que li “O Libertino”, fui logo atraído pela riqueza dos personagens e pela inteligência e humor do texto”, diz Jô Soares.



Essa comédia preenche uma lacuna onde humor e informação, diversão e cultura
 se encontram em uma obra que não se destina ao simples entretenimento. Retoma uma das funções da comédia, que é fazer pensar e discutir a condição do homem frente às questões morais e éticas da sociedade onde se encontra inserido

. Além da divertida manipulação de conceitos e ideias, na peça vê-se outra característica importante da personalidade do filósofo: sua atração pelas mulheres.

Segundo Eric-Emmanuel Schmitt, “O Libertino” é a mais alegre de suas peças. “Um texto escrito numa primavera para celebrar a primavera”. Seu personagem principal, o filósofo Denis Diderot, que viveu de 1713 a 1784, é considerado, junto com Voltaire, um dos intelectuais precursores da Revolução Francesa. Muitos o julgam pioneiro da filosofia anarquista, devido ao seu pensamento de desprezo sobre a nobreza e o clero.

Cassio Scapin resolveu produzir “O Libertino” quando assistiu uma leitura dramática no ano de 2008 em Paris. “Assim que me deparei com o texto, fiquei fascinado com a inteligência e o humor ali presentes e percebi que seria um personagem ótimo para um ator na minha idade, e um assunto interessante de discutir, além de uma excelente comédia que  alia inteligência, informação e elegância”, conclui o ator.

Ficha Técnica:
Autor – Eric Emmanuel Schmitt / Tradução – Aline Meyer / Adaptação e direção geral – Jô Soares / Elenco: Cassio Scapin, Luciana Carnieli, Luiza Lemmertz, Tânia Casttello, Erica Montanheiro e Daniel Warren / Iluminação – Maneco Quinderé / Figurinos – Fabio Namatame / Cenários – Chris Aizner / Música Original : Eduardo Queiroz / Direção de Produção – Fernanda Signorini / Fotos: Jairo Goldflus / Programação Visual: Denise Bacelar / Realização Cassio Scapin e Fernanda Signorini
Patrocínio nacional: MAN Latin America, fabricante dos caminhões e ônibus da marca Volkswagen e Correios e Ministério da Cultura / Produção local: Rubim Produções


Serviço

“O Libertino”, dias 14 e 15 de abril, sexta e sábado
Teatro Sesiminas – Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia – BH
Horário: sábado às 21h e domingo às 19h
Ingressos antecipados: R$ 40,00 - inteira e R$ 20,00 - meia-entrada
Ingressos no dia: R$ 50,00 – inteira e R$ 25,00 – meia-entrada
Informações: (31) 3241.7181
Classificação: 16 anos
Duração: 90 minutos

Assessoria de imprensa BH: Jozane Faleiro – (31) 92046367 / (31) 3261.1501 – jozane@ab.inf.br