segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Mateus Solano em BH



Depois de três anos dedicando-se ao cinema e à televisão, Mateus Solano volta ao teatro, reeditando parceria com o diretor Jefferson Miranda [ciateatroautonomo], em texto escrito pela atriz e produtora Paula Braun, que estreia como autora. Montagem fica em cartaz no Teatro Bradesco, dias 30 e 31 de agosto e 1º de setembro, de sexta a domingo

O que você faria se acordasse tendo uma chance estranha de recomeçar? Se, de repente, você se perguntasse sobre sua profissão, sua comida preferida, como amarrar os seus sapatos? Esse é o mote da peça “Do Tamanho do Mundo”, que marca a volta do ator Mateus Solano ao teatro, depois de três anos dedicando-se integralmente ao cinema e à televisão. Para essa volta, Mateus escolheu um texto da atriz e produtora Paula Braun, sua mulher, que estreia como autora. A direção é de Jefferson Miranda (diretor da conceituada ciateatroautonomo), com quem Mateus já trabalhou, na peça “O Perfeito Cozinheiro das Almas Deste Mundo” (2007). No elenco também estão Alcemar Vieira, Isabel Cavalcanti e Karine Telles (vencedora dos prêmios de Melhor Atriz nos festivais de cinema do Rio e de Gramado por sua atuação no longa “Riscado”, de Gustavo Pizzi). As apresentações em Belo Horizonte, no Teatro Bradesco, dias 30 e 31 de agosto e 1º de setembro, sexta a domingo, integram a programação do Teatro em Movimento, projeto viabilizado com o apoio cultural do Instituto Unimed-BH, com recursos da Lei Federal  de Incentivo à Cultura.

O espetáculo reflete sobre o quanto o homem contemporâneo pode viver numa automatização de sua rotina ao ponto de deixar de ser o autor de sua própria história e passar a ser um mero repetidor. Ou seja, em que medida a obediência às ‘regras’ é necessária para a convivência, e em que medida ela poderá esmagar a criatividade e a individualidade? A peça conta a história de um casal que representa o ideal criado pela modernidade, mas que encontra uma chance extraordinária de se reinventar e descobrir o que é relevante ou não em suas vidas. “‘Do Tamanho do Mundo' é um projeto, pra mim, feliz. Buscamos tratar de descobertas, mudanças, novas escolhas... - mesmo sabendo que tudo isso implica ter que abrir mão, e às vezes, abrir mão de coisas de que gostamos muito, onde nos reconhecemos - de forma simples, suave, positiva. É um projeto feliz porque quer acreditar na vida. E, particularmente, tenho sentido necessidade que nossa criação ponha fé na vida, seja uma afirmação de vida", explica o diretor Jefferson Miranda.

"É muito bom poder contar com um processo colaborativo. Jefferson guia os atores de um modo onde os personagens criam vida própria. É um trabalho artístico, e o texto uma costura de um pouco de cada envolvido. Uma experiência trabalhosa, rica, que envolve sensibilidade, entrega e confiança. ‘Do tamanho do Mundo’ é uma tela colorida coletivamente. É raro quando isso acontece do jeito que tem acontecido e poder participar é uma grande honra. Só tenho a agradecer", conta a autora Paula Braun.

SINOPSE – “Do Tamanho do Mundo”

Um dia Arnaldo (Mateus Solano) acorda e percebe que não sabe mais como caminhar. Esse pequeno surto aparentemente passa sem qualquer consequência, mas Arnaldo percebe, aos poucos, que tem um olhar diferente sobre as coisas cotidianas, como se não conhecesse mais nada, nem ninguém. Ele se vê como uma folha de papel em branco - desaprendido, perdido dentro de sua própria liberdade. Precisa reconstruir seus conceitos e escolhas, e reaprender a viver em sociedade. Sua mulher, Marta (Karine Telles), uma executiva às voltas com seus compromissos profissionais, tenta ajudá-lo, mas sua excessiva objetividade não lhe permite compreender bem o que está acontecendo. Junto a Marta, Arnaldo começa a se perguntar se as escolhas que tomou até então são suas ou foram impostas pelo destino, e se o destino existe ou foi inventado para que possam caminhar dentro de padrões sociais.

Permeia e interfere na ação o personagem Presenter (Alcemar Vieira) que, fazendo um elo com o público, comenta os acontecimentos e entra dentro da história, provocando os demais personagens e mudando o curso dos acontecimentos. E Lila (Isabel Cavalcanti), uma tia de Marta um tanto extravagante, resolve visitar a sobrinha justamente neste momento em que o casal precisa de um pouco de sossego para tentar compreender e se adequar àquela situação estranha e vencer os inesperados desafios.

A MONTAGEM

O cenário de Cristina Novaes é a varanda de uma casa, com árvores e um gramado, onde se passa a ação. Ao fundo da cena, a casa em que vivem Arnaldo e Marta. A direção musical é de Felipe Storino, o figurino de Antônio Medeiros, a luz de Felipe Lourenço e a preparação corporal de Toni Rodrigues.




FICHA TÉCNICA

Texto: Paula Braun/ Direção: Jefferson Miranda / Elenco / Personagens: Mateus Solano  -Arnaldo; Alcemar Vieira – Presenter; Karine Teles – Marta; Isabel Cavalcanti – Lila / Direção Musical: Felipe Storino / Luz: Felipe Lourenço / Cenário: Cristina Novaes / Figurino: Antônio Medeiros / Preparação Corporal: Toni Rodrigues / Design: Dan Strougo / Direção de Produção: Carlos Grun / Realização: Mateus Solano / Produção: Bem Legal Produções / Produção local BH: Rubim Produções/ Realização local em Belo Horizonte: Teatro em Movimento, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, viabilizado com o apoio cultural do Instituto Unimed-BH

SERVIÇO
“Do Tamanho do Mundo”, com Mateus Solano e elenco
Duração: 80 minutos
Classificação: Livre
Dias/horários: 30 e 31 de Agosto e 1º de setembro - sexta às 21h, sábado e domingo às 20h
Local: Teatro Bradesco – Rua da Bahia 2244, Lourdes (613 lugares)
Ingressos: setores I e II - R$ 70,00 inteira e R$ 35,00 meia entrada (conforme a lei)
Informações: (31) 3516.1027 / 3282.5420
Sites: www.teatroemmovimento.com.br / www.minastenisclube.com.br


Informações para a imprensa: AB Comunicação - (31) 3261.1501 – Jozane Faleiro - (31) 92046367 – jozane@ab.inf.br


MATEUS SOLANO
 Atuou em peças como “O Perfeito Cozinheiro das Almas Deste Mundo”, dirigido por Jefferson Miranda, e “Últimos Remorsos Antes do Esquecimento”, com direção de Ivan Sugahara. Seu mais recente trabalho no teatro foi em “Hamlet”, dirigido por Aderbal Freire-Filho, com Wagner Moura no papel-título. No cinema, atuou nos longas-metragens “Linha de Passe” (2008), de Walter Salles, e “Novela das Oito” (2012), de Odilon Rocha. Este ano volta às telas com o filme “Procura-se”, de Michel Tikhomiroff. Na TV Globo, fez parte do elenco das minisséries “Um Só Coração” e “JK”. Foi com sua intepretação do compositor Ronaldo Bôscoli na minissérie “Maysa” que Mateus chamou a atenção do grande público. Em 2009 atuou como os gêmeos Jorge e Miguel na novela “Viver a Vida”, de Manoel Carlos. Em 2011, Mateus intepretou Ícaro, protagonista da novela “Morde e Assopra”, de Walcyr Carrasco. E recentemente brilhou como Mundinho Falcão no remake de “Gabriela”, também de Walcyr Carrasco. Atualmente, vive o vilão Felix, na novela das 21h da TV Globo, “Amor à Vida”, de Walcyr Carrasco.
 
JEFFERSON MIRANDA
 Doutorando em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, artista visual e diretor da ciateatroautônomo, com a qual vem realizando diversos projetos desde 1989, entre os quais, destacam-se: “Nu de mim mesmo”; “Deve haver algum sentido em mim que basta”; “Uma coisa que não tem nome (e que se perdeu)”. Recentemente realizou a instalação “1000 tsurus para 1 pedido 1 pedido para 1001 desejos”, na Galeria Marcantônio Vilaça e, atualmente, dá prosseguimento ao projeto de eventos cênicos “coisa”. Tem ministrado residências artísticas, cursos e oficinas, realizado montagens de final de curso de formação de atores, e dirigido tantos outros trabalhos na área teatral e de música contemporânea. Entre os mais recentes estão: “Você precisa saber de mim”, peça escrita por seis autores cariocas; “Berio sem censura” e “Revisitando Stravinsky” de Jocy de Oliveira. Trabalhou com Mateus Solano no projeto teatral de Luiza Mariani, “O perfeito cozinheiro das almas deste mundo”, em 2006.

TEATRO EM MOVIMENTO
O projeto Teatro em Movimento, coordenado pela Rubim Produções, de Tatyana Rubim, foi criado há 12 anos, com o objetivo de descentralizar o acesso às grandes montagens do eixo Rio-São Paulo, promovendo a circulação dos mesmos para outros Estados e também pequenas cidades. Desde sua criação, foram mais de 170 peças e shows que somam mais de 492 apresentações. Inicialmente, atuando em Minas Gerais e seu entorno, o projeto levou à capital mineira e algumas cidades do interior, espetáculos com peso nacional, tendo no elenco atores como Bibi Ferreira, Thiago Lacerda, Vladimir Brichta, Glória Menezes, Antônio Fagundes, Nicete Bruno, Paulo Goulart, Marco Nanini, Luana Piovani, Lilia Cabral, Rodrigo Lombardi, Cláudia Raia, Marisa Orth, e muitos outros.  Dentre os espetáculos, que o projeto deslocou para a capital mineira, estão os premiados musicais “Gonzagão – a Lenda”, “Bibi Ferreira – Histórias e Canções”, “Farsa da Boa Preguiça”, “Beatles Num Céu de Diamantes” etc.
O projeto também já atuou em diversos Estados brasileiros, tendo sido co-realizador da circulação dos espetáculos do grupo Ponto de Partida nas cidades de Mariana (MG), São Luiz (MA), Vitória (ES) e Aracajú (SE).

Os resultados do projeto vão além da inclusão das cidades na circulação das montagens. A iniciativa possibilita a formação de um espectador mais crítico e de um público mais preparado e habituado a lotar as salas dos teatros. A ideia é consolidar o hábito de ir ao teatro e fomentar a cultura das artes cênicas, por isso os espetáculos acontecem ao longo do ano e não concentrados em um curto período como nos festivais. O teatro, sendo um agente de transformação social, é capaz de atuar como um difusor de idéias e de cultura podendo ser usado como um instrumento de comunicação. Para ratificar a potencialidade de transformação social e cultural do teatro e colocar em prática os objetivos do projeto, o Teatro em Movimento ainda promove sempre que possível oficinas gratuitas, palestras e workshops para profissionais da área e interessados. Dessa forma, cria-se uma rede de circulação de informação fortalecendo a possibilidade de sustentabilidade do setor cultural. 

Nenhum comentário: