sexta-feira, 11 de abril de 2014

TEATRO EM MOVIMENTO TRAZ A BH O INSTIGANTE “INCÊNDIOS”, COM MARIETA SEVERO E ELENCO

Com direção de Aderbal Freire-Filho, atriz protagoniza esta primeira montagem no Brasil do premiado autor libanês Wajdi Mouawad. O drama, que estreou em setembro de 2013, recebeu indicações dos principais prêmios do teatro brasileiro. Espetáculo fica em cartaz de 27 a 29 de março, no Grande Teatro do Sesc Palladium
A escrita de Wajdi Mouawad é marcada por situações devastadoras: guerras, exílios, perdas e injustiças. Não à toa, ‘Incêndios’ (2003) é o título de seu mais celebrado espetáculo, com dezenas de prêmios, elogiadas produções ao redor do mundo e um longa-metragem homônimo, dirigido por Denis Villeneuve e indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. A engenhosa carpintaria de Mouawad despertou a atenção de Marieta Severo para a saga da árabe Nawal, cuja vida é atravessada por décadas de uma guerra civil que parece nunca ter fim. Ela passa seus últimos anos em voluntário exílio no Ocidente, onde morre e deixa em testamento uma difícil missão, de encontrar o pai e também um irmão perdido em seu remoto passado no Oriente, para o casal de filhos gêmeos, Simon e Jeanne, interpretados pelos atores Felipe de Carolis e Keli Freitas, respectivamente. Se junta ao elenco, os atores Márcio Vito, Kelzy Ecard, Fabianna de Mello e Souza, Isaac Bernat e Julio Machado, dirigidos por Aderbal Freire-Filho.
Um texto contundente, que Felipe de Carolis levou para uma das atrizes de maior reconhecimento no Brasil, Marieta Severo, que não se encantava há muito tempo por textos depois de “As Centenárias” e foi arrebatada por “Incêndios”. O espetáculo  que mexe com as emoções do público por ter uma característica especial de retratar universos macros e micros quando toca na posição da mulher na cultura oriental e também na célula familiar. Esta é a tônica de “Incêndios”, que o projeto Teatro em Movimento realiza em Belo Horizonte, em correalização com o Sesc. O espetáculo acontecerá nos dias 27 e 28 de março, quinta e sexta, às 21h e dia 29, sábado, às 20h no Grande Teatro Sesc Palladium.
O Teatro em Movimento é viabilizado com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com o patrocínio do Instituto Unimed-BH e do Itaú.



O jogo teatral e a tragédia contemporânea
“Incêndios é a história de três destinos que buscam suas origens, em uma tentativa de solucionar a equação de suas existências”, resumiu Mouawad na apresentação da primeira montagem da peça. A trajetória da protagonista encontra paralelo na vida do autor, nascido no Líbano, mas radicado no Canadá desde a década de 80. Encenado com sucesso em 15 países, “Incêndios” chegou às mãos de Marieta e Aderbal através do ator Felipe de Carolis, também produtor da atual montagem junto com Pablo Sanábio e Maria Siman.
Responsável por sublinhar o caráter assumidamente teatral de recentes montagens como ‘Jacinta’ (2012), ‘Hamlet’ (2008), ‘As Centenárias’ (2007) e ‘O Púcaro Búlgaro’ (2006), Aderbal se viu estimulado pela dramaturgia de Mouawad: “Os textos são altamente poéticos ao falar das tensões entre homem e sociedade. Mesmo situando os personagens e ações em um contexto real, a peça não localiza geograficamente a ação, apenas sabemos que se trata de Ocidente e Oriente, as cidades têm nomes inventados e datas de fatos históricos são modificadas”, comenta.
A conhecida adaptação cinematográfica da peça pode sugerir uma maior adequação da história ao cinema. No entanto, Aderbal acredita que o teatro é o meio de expressão ideal para “Incêndios”: “Não só por ter sido concebida como uma peça de teatro e pela ilusão do teatro permitir mais liberdade ao entrelaçamento das ações, como também pelo fato do cinema ter abdicado de alguns valores importantes da peça original. Personagens e cenas fundamentais, por serem mais adequados ao teatro, foram cortados do filme, que nem por isso deixa de ser um grande filme”, afirma o diretor.
Marieta interpreta a protagonista da juventude aos momentos finais, passando por episódios dramáticos, como a adesão à guerrilha, a incessante busca pelo filho perdido e as dificuldades de ser mulher na região. “É o desafio de fazer um épico, explorar as possibilidades deste gênero e interpretar as variadas idades e fases da personagem”, avalia a atriz.

Crueldade e ternura em um contexto desumano
Ao longo do processo de ensaios, a produção organizou uma série de workshops para o elenco com historiadores, filósofos e especialistas em conflitos do Oriente Médio. Mesmo sem ter um local específico, o universo árabe é discretamente ambientado em cena, com ajuda dos figurinos de Antonio Medeiros e a cenografia de Fernando Mello da Costa, parceiro de longa data de Aderbal.
A concepção do espetáculo se vale da própria poética da cena para expressar as situações reais criadas pelo autor. “O palco infinito pode ir de um continente a outro e de um tempo a outro, desde que o conjunto da encenação desperte a imaginação do espectador e é isso que as atrizes e os atores de 'Incêndios' têm como objetivo. Em um cenário de grande impacto plástico em sua simplicidade, o talento do elenco queima no mesmo fogo a realidade e a ilusão”, diz Aderbal.
Este é mais um incêndio entre os vários – literais e metafóricos – que acontecem durante a busca do casal de gêmeos pelo passado da mãe no outro lado do planeta. Ao se deparar com suas origens, eles vêem o fogo da guerra – mesmo depois de seu fim – agir implacavelmente em suas vidas.
Mouawad constrói uma intrincada teia de relações, segredos e sentimentos. “Incêndios” não é propriamente uma peça sobre a guerra, mas sobre promessas que não são cumpridas, sobre tentativas desesperadas de consolo, sobre maneiras de se permanecer humano em um contexto desumano’, resumiu o autor após receber o Prêmio Molière pelo texto.

Wajdi Mouawad nasceu no Líbano em 1968. Aos 10 anos, deixou seu país natal devastado pela guerra e partiu para Paris com a família. Em 1983, se mudou para o Canadá (Montreal). Em 1991, logo depois de se formar na Escola de Teatro Nacional, embarcou em uma carreira polivalente como ator, escritor, diretor e produtor. Em 1998, sua criação ‘Protágoras trancada no banheiro’ é votado como a melhor produção de Montreal pela Associação de Críticos de Teatro Quebec. De 1990 a 1999, co-dirige a Companhia de Teatro Ô Speaker. Ao mesmo tempo, escreve ‘Litoral’, anterior a ‘Incêndios’, que unidas a outras duas peças formará a tetralogia denominada por ele como ‘Sangue das promessas’. O espetáculo ‘Litoral’ rendeu-lhe reconhecimento e dois importantes prêmios: Prêmio Literário Governor General’s Literary Award de melhor texto teatral em 2000 e o Chevalier de l'Ordre National des Arts et dês Lettres, na França, em 2002. Mas é em 2003, com o espetáculo ‘Incêndios’ que arrebata a crítica e leva todos os principais prêmios. De 2000 a 2004, dirigiu o Teatro dos Três Vinténs em Montreal. Em 2005, fundou duas companhias especializadas no desenvolvimento de novos trabalhos: Abé carré cé carré, no Canadá e Au carré de l'hipotenuse, na França. Nos últimos 15 anos, Wajdi Mouawad se estabeleceu como um original e singular encenador do teatro contemporâneo, aclamado por suas narrativas diretas e firmes, em encenações de estética precisa e potente. Em todos os seus trabalhos, peças de sua autoria (‘Tideline’, ‘Scorched’, ‘Forêts’ e ‘Ciels’, dentre outras) e adaptações (‘Viagem ao fim da noite’, de Céline; ‘D. Quixote, de Cervantes’), produções que dirigiu (‘Macbeth’, ‘As troianas’ e ‘As três irmãs’), dois romances (‘Visage retrouvé’ e ‘Anima’), Wajdi Mouawad expressa a convicção que a ‘arte se porta como testemunha da existência humana através do prisma da beleza’. Suas peças foram traduzidas em mais de quinze idiomas e apresentadas em vários países, incluindo a Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, Espanha, Japão, México, Austrália e Unidos Estados. ‘Incêndios’ foi adaptado para o cinema e dirigido pelo canadense por Denis Villeneuve, tendo sido indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Prêmios recebidos por “Incêndios”: Prêmio Jacqueline Déry-Mochon (Canadá) / Prêmio SACD (comissão de países de língua francesa) – França / Prêmio Sony Labou Tansi (Canadá) / Premio Molière (França) / Prêmio Escolha da Crítica (Bélgica) / Grande Prêmio da Academia Francesa de Teatro (França)


INDICAÇÕES A PRÊMIOS NO BRASIL PELA PEÇA “INCÊNDIOS” (OS RESULTADOS AINDA NÃO FORAM DIVULGADOS)
Prêmio Shell - Direção: Aderbal Freire-Filho
 Prêmio  Cesgranrio - Direção: Aderbal Freire- Filho/ Atriz: Marieta Severo / Espetáculo /     Iluminação: Luis Nenén / Categoria especial: Marcia Rubin pela direção de movimento
 Prêmio Questão de Crítica - Direção: Aderbal Freire-Filho / Espetáculo / Atriz: Marieta Severo / Ator: Marcio Vito / Trilha: Tato Taborda
Prêmio Quem Acontece - Melhor Atriz: Marieta Severo / Melhor Diretor: Aderbal Freire-Filho
Prêmio Faz Diferença – O Globo - Marieta Severo pela peça “Incêndios”
Cariocas do Ano – Revista Veja - Teatro: Marieta Severo, pela peça “Incêndios”

FICHA TÉCNICA
INCÊNDIOS – Autor: Wajdi Mouawad / Tradução: Angela Leite Lopes / Direção: Aderbal Freire-Filho / Elenco: Marieta Severo, Felipe de Carolis, Keli Freitas, Marcio Vito, Kelzy Ecard, Fabianna de Mello e Souza Julio Machado e Isaac Bernat / Cenografia: Fernando Mello da Costa / Iluminação: Luiz Paulo Nenen / Figurinos: Antonio Medeiros / Trilha Sonora: Tato Taborda / Direção de Produção: Maria Siman / Produção Executiva: Luciano Marcelo
Produtores: Felipe de Carolis, Maria Siman e Marieta Severo / Produtor associado: Pablo Sanábio / Idealização do Projeto: Felipe de Carolis / Realização nacional: Emerge, Primeira Página Produções e Teatro Poeira / Produção em Belo Horizonte: Rubim Produções /
Dias/Horários: dias 27 e 28 de março, quinta e sexta, às 21h e dia 29, sábado, às 20h
AB Comunicação - (31) 3261 1501 – Jozane Faleiro - (31) 92046367 – jozane@ab.inf.br

Realização em Belo Horizonte: Teatro em Movimento em correalização com o Sesc. Viabilizado com recursos do Instituto Unimed-BH e Itaú, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.
SERVIÇO:

“Incêndios”, com Marieta Severo e elenco
Duração: 120 minutos / Classificação etária: 14 anos
Local: Sesc Palladium – Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro – BH – estacionamento no local
Ingressos: Plateia I: R$ 75,00 / Plateia II: 65,00/ Plateia III: R$50,00 – meia entrada para maiores de 60 anos e para estudantes devidamente identificados (conforme MP 2208/2001)
Informações: (31) 3279.1500 – www.teatroemmovimento.com.br
Informações para a imprensa Teatro em Movimento:
EXIBIÇÃO DO FILME
Para encerrar a programação de cinema do mês, o Cine Sesc Palladium apresentará, em 30 de março, às 19h, uma única sessão do filme Incêndios, de Denis Villeneuve. No elenco estão Lubna Azabal, Melissa-Désormeaux-Poulin e Maxim Gaudette.
30/03 – 19h: Filme de Denis Villeneuve, Canadá / 2010, 130 min. Classificação: 14 anos.
Na leitura do testamento de sua mãe, os gêmeos Simon e Jeanne descobrem que eles têm um irmão e que o pai, que os dois achavam que havia falecido, estava vivo. Dentre muitos pedidos, a maioria um pouco desconfortáveis, o último e mais importante vinha junto com duas cartas seladas: encontrar os dois e entregar-lhes. Nawal sempre foi um mistério para seus dois filhos, e a relação entre eles sempre foi muito difícil. Simon fica com raiva e resiste, mas Jeanne se sente no dever de respeitar o desejo de sua mãe.
Evento: Única sessão filme Incêndios
Data: 30/03 – às 19h
Local: Cine Sesc Palladium (Av. Augusto de Lima, 420, Centro)
Entrada: gratuita com retirada de ingresso 2h antes da sessão. O espaço está sujeito a lotação.
Informações para a imprensa: (31) 3279-1457 / 8744-5409 / imprensa@sescmg.com.br
Informações sobre o evento (público): (31) 3270-8100

Nenhum comentário: